Prof. Freitas-Magalhães – facial expression expert unveils the psychology of human emotion

by alrou on December 12, 2010

Freitas-Magalhães, Ph.D., is a Portuguese psychologist working on the psychology of the human smile in the context of emotion and facial expression.

He is founder and current director of the Facial Emotion Expression Lab (FEELab) at University Fernando Pessoa (UFP), in Porto (Portugal). His research is devoted to understanding emotions in individuals and society.

Freitas-Magalhães is the author of FACE, a scientific project in Portugal that will allow neuropsychological mapping of the Portuguese facial expression. The FACE imaging technology will contribute to a database of facial expression available for the most diverse social applications, such as health, justice and education.

In an exclusive interview for bestinPortugal, Prof. Freitas-Magalhães talks about the psychology of facial expression, areas of intervention and the challenges faced in being a pioneer in the study of face recognition in Portugal.

Why is it so important to be able to identify and to decipher facial expressions?
The human face is our first communication system. It reveals all our emotions, including those deep inner feelings that were intended to be concealed. The face conveys one’s emotional state to the observer. It is the venue for the brain to view the remains of past experiences as presented in my book “The Psychology of Emotions: The Allure of the Human Face.”

 What are some of the areas in which facial expressions are mostly used?
Our face is born with us, grows and develops with us and finally, dies with us. Therefore, the facial expression is valid in any context. The anatomy and function of facial expressions is applicable to service areas such as Health, Justice and Education, to name a few. The scientific analysis of the face may contribute to the pursuit of a healthier social interaction.

Can the study of facial expressions be used as a lie detector?
It cannot because it already is. The Facial Action Coding System (FACS), created in 1978 by my friend Paul Ekman, has been used for over 30 years by Intelligence Agencies & Services like the CIA, FBI and Scotland Yard. In recent years, there has been a significant increase in the number of studies on the application of the aforementioned instrument for measuring the muscular movements of the face. My new book, “The Ekman Code: The Brain, the Face and the Emotion” addresses in detail the usefulness of FACS.

How can the Laboratório de Expressão Facial da Emoção -FEELab/UFP (Facial Expression of Emotion Lab) help to provide scientific evidence through the facial expression of offenders for the criminal investigation and judicial proceedings?
The Facial Expression of Emotion Lab (FEELab/UFP) is prepared and available to give their input in criminal investigation. I’ve advocated for years that interrogations should be videotaped for a further analysis of the micro-expressions. The human face provides unquestionable traces that can make the difference between truth and falsehood.

What are the most common facial characteristics of a typical Portuguese?
I said in a conference held in Prague two years ago, that the Portuguese are not sad: they just weren’t educated to have a positive attitude towards life leading to significant difficulties in the identification, recognition and use of basic emotions. I advocate the introduction of a program of emotional literacy in Portuguese schools. This would allow society to be very different, in a much healthier way. As I previously said, the Portuguese are not sad, it is a way of being that makes part of their cultural heritage of being private and introspective.

How do you take cultural differences into account in interpreting facial expressions?
Cultural differences exist only at the level of display rules (ie culture-specific guidelines for displaying certain facial expressions appropriate for each context), not in the construction of facial expressions conveyed from the emotion that occur in the brain structure.
Culture is one of the moderating variables of facial expression and that is why I advocate the inclusion of a new paradigm of educational culture that integrates an emotional education.

 When you were starting your career, what made you choose this area to dedicate yourself to?
I have been studying the facial expression of emotion for nearly 25 years. It all began with a smile, a widespread phenomenon, which in the case was the smile of my wife. But as I later discovered, it is really a complex phenomenon and a key organizer of the human psyche. It was at that point that my scientific adventure began. It continues on since the smile per se, contains all the substance that gives meaning to science. This motivated me to write the book “The Psychology of Human Smile.” Expanding on this subject with a question, why does Mona Lisa’s expression continue to arouse such an interest?

How do you entice scholars and researchers from all over the world to collaborate with you in your research?
The benefits of doing research are to exhibit the results and to share experiences with other researchers on the work done. I believe in shared science. The aim is for people to do science, a science that is practical and shared, as I expressed recently at a conference in the University of Coimbra. I believe that the principle was well accepted by my colleagues.
I divulge my work by networking.  As I participate in numerous international organizations, the dissemination of my work is a scientific fact. The scientific and academic international project named “The Brain and The Face” that I have been coordinating since 2008 has been a notable example of this practice.

What are the challenges that you face in being a pioneer in the study of facial expressions in Portugal?
The challenges of an enormous responsibility. I get calls every day to give lectures, to analyze faces, to give advice and to give opinion about the nonverbal behavior in different social contexts. Right now, my goal (beyond the pleasure that it gives me to work in this area) is to give my contribution in the scientific area of facial expression of emotion and to engage the scientific community to get involved on this topic. I have already noticed signs of my contribution and I am up to the challenge of knowing each time more and more on the human face.

The  Encyclopedia of Human Behavior, of Elsevier Editor in Oxford, will publish your article “Facial Expression of Emotion”.  Besides the personal satisfaction of having your work recognized by an international reputable publication, do you believe that this will help in promoting Portuguese investigators and scientists for international cooperation projects?
Of course it does. I do not make research to be recognized. I do research because it gives me pleasure and because I feel that this was my calling. It is obvious that this distinction is a contribution to the visibility of the Portuguese Science.

Any final thoughts that you would like to add?
The human face will continue to be my scientific allure and I believe that in the coming years the Science of deciphering the human face will be further explored in a forensic context. It’s inevitable.

As additional information, James Bray, Ph.D, President of the American Psychological Association-APA, presented in November of 2009 the book “Emotional Expression: The Brain and The Face”  by Professor Freitas-Magalhães in the Auditorium of the Fernando Pessoa University (Oporto). 
 

To know more about Prof. Freitas-Magalhães:   FEElab-UFP | Academia.edu

Image Credits: FEELab – University Fernando Pessoa , BestInPortugal.com

  • Ccosta

    Parabéns ao blog. Conseguir uma entrevista com o Prof. Freitas-Magalhães é extraordinário, um feito, porque não é fácil. É um “furo” jornalístico. Para além disso, a entrevista revela bem o pioneirismo e a inovação do que se faz em Portugal. Parabéns.

  • Alrouiller

    Fico feliz que tenha gostado da reportagem. O Prof. Freitas-Magalhães é um dos inovadores mais visíveis pelo calibre do seu trabalho. Mas também sabemos que há mais inovadores em Portugal em outras áreas e que devem ser divulgados. Estou sempre aberto a sugestões.

  • Catarina Gomes

    Fantástica entrevista. Para quando a aplicação na justiça portuguesa das propostas do Prof. Freitas-Magalhães? Adoro estas temáticas.

  • Alrouiller

    Realmente o tema é interessante, uma vez que envolve a interpretação das emoções mais básicas do ser humano, sejam elas o amor, medo, alegria, tristeza ou raiva. Quanto à sua aplicação na Justiça, não disponho desta informação, mas poderá pesquisar mais no blog do FeeLab em //feelab2010.blogspot.com

  • Andreia Correia

    A face é de facto um mundo fascinante. Para além do reconhecimento mundial do trabalho científico do Prof. Freitas-Magalhães, o que mais destaco é o gosto que se pode ver nas suas palavras. Tem prazer no trabalho que faz e transmite isso mesmo ao leitor. Parabéns ao autor do blog por nos trazer estas personalidades.

  • Alrouiller

    Muito obrigado pelo seu comentário, Andreia! Espero poder continuar a corresponder às vossas expectativas. Se estiver no Facebook, poderá também visitar (e “gostar”) da minha página em http://www.facebook.com/bestinportuga...

  • Luisa Oliveira

    Sinto um orgulho enorme em ser aluna do Prof. Freitas-Magalhães. Parabéns.

  • Alrouiller

    Parabéns para si também, por estar bem orientada!

  • Pedro S Sousa

    Eu quero dizer o seguinte: Apesar do merecido reconhecimento internacional, o que mais me impressiona no Prof. Freitas-Magalhães é a sua simplicidade e a sua humildade. Está sempre disponível para os alunos. É um prazer e um orgulho tê-lo como meu Professor e uma mais valia par a UFP. Tenho aprendido muito numa área onde em Portugal não existia nada.

  • Alrouiller

    Gostaria muito de agradecer todos os comentários favoráveis e também ao Prof. Freitas-Magalhães, dentro das inúmeras solicitações a que é sujeito e ter-me concedido esta entrevista.

  • Isabel Cunha

    É impressionante o trabalho que o Prof. Freitas-Magalhães já fez (e faz) na área das emoções. Esta entrevista é um exemplo do bom que se faz em Portugal. E nota-se uma paixão pelo que se faz, coisa rara no nosso país. Parabéns ao autor do blog por ter conseguido este trabalho extraordinário.

  • Pedro Miranda

    Parabéns por esta extraordinária entrevista.

  • Alrouiller

    Agradeço o seu comentário favorável. Se soubererem de mais personalidades inovadoras noutras áreas e se me quiserem dar os contactos para que eu possa entrevistá-los, estarei sempre disponível.

  • Rita Santos

    Parabéns. Excelente entrevista.

  • Mariana Antunes

    O meu professor é o máximo. Sinto um grande orgulho em tê-lo como professor. O seu reconhecimento no estrangeiro só me dá mais orgulho. E quem tem ganho com isso é a Universidade Fernando Pessoa. É de longe o professor que dá mais credibilidade à UFP. É uma mente brilhante, uma inteligência rara e sobretudo muito humano e simples. É um orgulho repito dizer que o Prof. Freitas-Magalhães é meu professor na universidade.

  • Ricardo Pinto

    Fantástico!!!! No dia 5 de Abril vou à Universidade Fernando Pessoa e vou conhecer o Prof. Freitas-Magalhães. Estou ansioso… Vou perguntar-lhe como é isso de detectar a mentira na cara. Como se faz????

  • Alrouiller

    Obrigado pelo comentário! Fico feliz que tenha gostado.

  • Alrouiller

    Olá Mariana. Acho que este é um dos caminhos para uma melhoria na educação: Professores capazes e alunos que reconhecem o seu mérito.

  • Alrouiller

    Olá Ricardo. Acredito que será difícil o Prof. Freitas-Magalhães poder resumir todos os seus anos de experiência para poder responder à sua pergunta, mas quem sabe ele possa despertar a sua curiosidade o suficiente para que o Ricardo encontre as suas próprias respostas.

  • Carlos Antunes

    É o melhor professor da UFP.
    Parabéns.

  • Alberto Miranda

    É uma área que muito me interessa. O Prof. Freitas-Magalhães é um excelente embaixador da ciência portuguesa. O seu trabalho científico é citado e muito conhecido no estrangeiro. É destes pioneiros e inovadores que Portugal precisa para sair da crise…

  • Alrouiller

    Obrigado pelo comentário, Alberto (este também é o meu nome). O Prof. Freitas-Magalhães é um dos embaixadores do que se faz bem em Portugal, mas há ainda mais “embaixadores” que apenas necessitam de boas condições de trabalho para poderem mostrar que em Portugal não falta talento.

  • Tânia

    Caro Professor. Cheguei aqui através de uma pesquisa na net. É impressionante o seu trabalho. Sinto-me muito, mas muito orgulhoso, de o ter como professor na universidade. A UFP não era a mesma sem o professor. Ah, Professor, não vá para os Estados Unidos, fique por cá, Portugal precisa de si. Parabéns.

  • Tânia

    Sinto-me orgulhosa, muito orgulhosa.

  • Ana Filipa Silva

    Parabéns Professor :D

  • Alrouiller

    Fico feliz que tenha gostado do artigo, Ana.

  • Carolina Neves

    Professor. Obrigado por partilhar o seu talento.

  • Pedro A R Marques

    Apenas gostava de saber porque não tem o Exmo. Prof. Dr. Freitas-Magalhães nenhuma publicação internacional, em jornais peer-reviewed, e como é que pode ter, assim, a tão apregoada fama internacional.
    No que toca à sua humildade, não sei, não conheço pessoalmente, mas a sua página na wikipedia mostra-o, sem sombra de dúvida.

  • http:////bestinportugal.com BestInPortugal

    Obrigado pelo seu comentário, Sr. Pedro Marques. O Prof. Freitas Magalhães é daquelas pessoas “low-profile” que está a fazer um trabalho extraordinário, mas que não deixa o ego à frente das suas pesquisas.

  • Tatiana Santos

    Estes comentários destes dois senhores (ou um só, porque devem ser a mesma pessoa) devem ser removidos por ofensivos e indignos. Para além do desconhecimento total. Mas sobretudo pela inveja destilada e muito portuguesa… É uma pena. É triste. Muito triste.

  • Tatiana Santos

    Todo o qualquer comentário insultuoso e malcriado deve ser removido. É essa a minha censura, sem qualquer discussão.

  • http:////bestinportugal.com BestInPortugal

    Att. Srs. Pedro Marques / Toscano,
    Não sou contra as pessoas expressarem livremente os seus pontos de vista. No entanto não permitirei que este blog sirva de plataforma para comentários pouco edificantes e que ataquem a integridade dos meus entrevistados. Assim como o Prof. Freitas Magalhães teve toda a disponibilidade para conceder-me uma entrevista, tenho a certeza que ele (melhor do que ninguém) poderá esclarecer as vossas dúvidas sobre as suas pesquisas e as suas credenciais no meio académico e científico como autor de várias trabalhos publicados (desde que solicitados com educação e respeito).
    A missão deste blog é mostrar o lado positivo de Portugal e da sua gente: comentários depreciativos e de carácter conflituoso não são tolerados, sob pena de serem removidos.

  • Pedro A R Marques

    Se lhe feri a susceptibilidade, peço desculpa. É com pena, contudo, que noto que não seja só no campo do insulto que não envereda pela discussão. Apenas pus em cima da mesa questões para mim bastante importantes para a credibilidade da comunidade cientifica e do trabalho que desenvolve(mos); sobre isto vejo que também, para si, não há discussão.

  • Beatriz Baldaia

    Professor, parabéns. Aqui se vê o pioneirismo e a inovação. Parabéns!!!
    http://www.publico.pt/Sociedad

  • http:////bestinportugal.com BestInPortugal

    Boa tarde D. Beatriz,
    Obrigado pelo seu comentário. Achei a reportagem sobre o Prof. Freitas-Magalhães no seu link bastante interessante, que apenas mostra que temos know-how em várias areas que merecem uma maior divulgação.

Previous post:

Next post: